O mundo na janela

soninho.jpg

A vida é o que acontece enquanto a gente dorme.

acordou.jpg

A viagem acontece quando a gente acorda.

Viajar virou uma espécie de moda mundial a partir da contracultura dos anos 60. “Caia na estrada e perigas ver”, dizia aquele maluco do Galvão, que não cantava, não tocava e foi membro (no bom sentido – o mau, dependendo do ponto de vista, é o bom, mas isso é muito complicado, segundo o Teco) dos Novos Bahianos.

Eu, infelizmente, não canto, não toco e não sou membro. Confesso que não li On the Road, comecei até, mas não terminei, pois coincidiu com o falecimento do Tico, irmão do Teco, meus mentores e figuras que se tornaram habitués das revistas de celebridades, lá pelo final dos 60.

Como eu dizia, poucos escapam dos modismos e eu embarquei nessa. A minha primeira tentativa foi ir até Peruíbe de carona, com dois velhos amigos, onde acamparíamos em alguma praia. Teco alertou-me para o mico, mas eu queria mesmo entrar em contato com a fauna. Foram apenas umas 8 horas entre Santos e aquela cidade do Litoral Sul paulista, sob um sol que fazia a estrada bruxulear (nós também bruxuleávamos).

Era a bandeirada inicial de uma prova de fundo (também aqui, no bom sentido), à qual me dedico até hoje, sempre que o tempo e as economias permitem.

Como em tudo, houve evolução. Caronas, só aceito hoje se forem de avião. Mochila nas costas, impossível, tendo em vista a calcificação das vértebras, a substituição contínua de massa muscular por pasta asciutta, e o inegável avanço tecnológico representado pelas malas com rodinhas. Tampouco durmo mais no chão em estações de trem, como fiz na minha primeira visita a Veneza, ou em edifícios em construção em pleno inverno, como aconteceu em Gythio, no Peloponeso. Quem não dormiu no slepping bag?

Ainda gosto dos Rolling Stones e da idéia. Mas que é moda, é. Tendo em vista que originalidade é quesito de concurso de fantasias carnavalescas, e eu não sou nenhum Clóvis Bornay, às favas com os pruridos de rebeldia, só para parafrasear (para para?) o Jarbas Passarinho.

Estou aqui de passagem.

Anúncios

Sobre Beto Paschoalini

É o que dizem por aí.
Esse post foi publicado em Viajandão. Bookmark o link permanente.

4 respostas para O mundo na janela

  1. Bem-vindo e boas viagens!

  2. Diogo disse:

    Ué?! E o esquilo não foi nessa? Putz, que sacanagem…

  3. Pingback: A busca da praia perfeita « O meu lugar

  4. muito lindo este sit gostaria de receber por emei este sit voceis estão de parabéns meu muito obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s