Neste fim de semana, fui à feira viajar

caruarusanfona.jpg

Domingão eu fui à feira. Foi a minha viagem do fim de semana. Eu adoro feira, mercados e peixarias. Eu disse, PEIXARIAS. A tara vem desde criança. Fazia meu pai me levar de carro até a Ponta da Praia, onde tradicionalmente é feita a descarga de pescados em Santos, só pra sentir, eu juro, o cheirinho de peixe. Sei que é meio nojento, mas fazer o quê, é verdade, isto sou eu.

Você já deve estar se perguntando o que esta conversa tem a ver com a foto de um sanfoneiro e duas crianças, no triângulo e na zabumba. Aquilo ali é uma cena da feira de sábado em Caruaru, trocentos anos atrás. Foi a minha primeira experiência numa feira popular verdadeira, com animais vivos e mortos (ainda quentinhos), uma infinidade de farinhas, peixes secos, roupas, panelas, móveis e, principalmente, gente da terra.

Eu faria uma viagem só pra ver feiras, mercados e peixarias. Não é nenhuma excentricidade. O comércio tradicional está sempre entre o que há de mais interessante a se ver em quase todo lugar.

campodeifiori.jpg

Em Roma, entre tantas, tem essa feira aí de cima, no Campo dei Fiori, em pleno coração histórico da velha cidade. É uma feira das nossas, com verduras, legumes e flores.

campodeifiori2.jpg

Até hoje é a feira do bairro, onde a vizinhança se abastece provavelmente há séculos. E nós, passantes, podemos  parar e observar como somos engraçados enquanto comemos uma cereja da estação, gorda, suculenta e doce. 

arezzo.jpg

Na feira de antigüidades de Arezzo, na Toscana, fiquei ligado até no chão. Na foto acima, reparem no chão. Já viram chão mais bonito?

arezzobiju.jpg

Feira boa não é só aquela que vende comida. Tem umas que são boas para antes e depois do almoço. É o caso de Arezzo, onde se vende arte, antigüidade, jóias, artesanato e móveis.

arezzocao.jpg arezzovert.jpg

Tem muito o que fazer numa feira, mesmo sem comprar. Além de se entregar às surpresas, é o melhor lugar pra gente se misturar com os locais, ouvi-los conversar e vê-los negociar. Há sempre uma piada no ar, como o cão no armário.

arezzomarilyn.jpg

Na feira de Arezzo você encontrará algum tesouro ao alcance do seu bolso e que o fará lembrar pra sempre daquela tarde em que almoçou pão com tomate, mussarela de búfala e presunto cru.

cadenetvinhos.jpg

Lugarzinho bom de feira é a Provence. Toda vila tem uma. Essa da foto acima é em Cadenet, no Luberon. Naquele dia, os produtores de vinhos estavam lá apresentando a produção do ano. Era só encostar e beber. Ou beber e encostar. 

 cadenetaioli.jpg

A grande atração naquela manhã na feira de Cadenet era um torneio de aiöli, quem fazia o melhor. Uma grande mesa foi colocada no centro da praça, homens, mulheres, idosos e crianças envolvidos numa disputa 100% gorda.

cadenetaioli1.jpg

O aiöli é como maionese, com alho socado no pilão, gema de ovo, azeite e sal. O difícil é dar o ponto. O dedinho (mindinho, que como todo mundo sabe é o dedo mais suspeito do mundo dos dedos) enfiado no azeite serve pra controlar o fluxo do líqüido e, roga-se, não tem papel determinante nem no sabor, nem na textura. É o temperinho francês. Terminado o tempo da competição, todos são convocados a se atirar sobre um prato de torradinhas, que servirão de veículo para a degustação do aiöli. Eleição direta, ao vencedor as batatas e todos podem ir comprar o seu queijo, o seu pain de campagne, sentar num café pra tomar um pastis antes de almoçar. Tipo da feira estressante.

boqueria.jpg

Para representar um legítimo top turístico no segmento horti-fruti, já que não tenho fotos da feira da Rue Mouffetard, em Paris, pole position da categoria, coloquei aí em cima a única fotinha que tenho de La Boqueria, em Barcelona. Na foto, Maria e Maria mãe face to face com os coitados dos melões no corredor da morte.

madri2.jpg

E o flagra de uma peregrina, em pleno pecado da cobiça, diante de uma cena inquisitorial no Mercado de San Miguel, na Madri Antiga, onde “patas negras” são vilmente pendurados, em vez de apoiados sobre pedestal de mármore, como fazem jus todas as coisas sagradas. 

cascais1.jpg

Não descobri outro lugar, até onde alcancei no planeta, como o do cheiro do pão de chouriço. Fica na feira de sábado de Cascais.

cascais2.jpg

É um dos chakras do planeta. Podem crer. É o chakra por onde passa o perfume do nirvana. O cheiro de pão de chouriço. Temos que encher os nossos pulmões naquele pranayama e deixar fluir a energia divina materializada no pão no forno. Junto com um pouco de chouriço.

lagossantola.jpg

E pra encerrar, gostaria de voltar a uma peixaria. A lembrança mais remota da minha relação com os peixes é de quando eu devia ter 6 ou 7 anos e corri pra ver os “peixes vivos”, que o peixeiro vendia naqueles baús-triciclos. Enfiei a cabeça dentro do carrinho cuja tampa desabou, deixando-me com a cabeça junto com os peixes e o resto do corpo, frenético, pro lado de fora. Foi um acuda, não cheguei a levar pontos. Mas acho que ali houve um imprint do que viria a ser os termos do meu relacionamento com os peixes. Mas a foto não é nem de peixe, é de um santola, sirizão que a menina de sorriso bonito fez o favor de segurar pra eu fotografar. Foi em Lagos, Algarve, um bom lugar pra se comer uma ameijoa.

Anúncios

Sobre Beto Paschoalini

É o que dizem por aí.
Esse post foi publicado em Brasil, Espanha, França, Portugal, Viajandão. Bookmark o link permanente.

26 respostas para Neste fim de semana, fui à feira viajar

  1. Diogo disse:

    Putz cara, demais… fiquei triste quando acabou o post, te juro. Bá, cada coisa mais linda…

    Tu falou em vinhos (quando “passou” ali pela Provence), e casualmente fui visitar uma vinícola esse finde. Dá uma olhada lá no Destemperados!

    Cara, sem palavras… demais, demais, demais!

    Abração!

  2. oanodalargartixa disse:

    Beleza, velho! Viajei grandão…e até aprendi o que é pranayama e imprint,…

  3. Diogo disse:

    Opa, tem gente que faz Yôga aí!? Pranayama são aqueles exercícios respiratórios. Esse aí eu to ligado, porque faço bem. Minha namorada diz, inclusive, que eu ronco pacas em função dessa minha respiração profunda pra dedél, hahaha!!!

    Abração!

  4. Beto disse:

    Diogo, esse oanodalagartixa chama-se Corvo Bêbado na vida real e ele tá se fazendo de otário com essa história de que aprendeu agora o que é pranayama. Fizemos muitos pranayamas juntos, quando éramos mais jovens. Acho que ele não lembra bem, porque foi atropelado por um caminhão e só acordou alguns anos depois. Ah! Já estive lá no Destemperados e curti muito o passeio na vinícola. Vou até lá agora deixar um recado. Abraço

  5. Diogo disse:

    Côrvo Bêbado, hahahahahahaha!!!

    O cara manja tudo de respiração completa então, usando todas as partes do pulmão?

    Te respondi o e-mail, vai lá!

    Forte abraço.

  6. thamy disse:

    também adoro feira e quem gosta de feira, gosta tb de beber, de comer e de viajar.
    ler e ver estas feiras todas fez com que a minha cabeça viajasse bem longe num breve momento num dia chato de trabalho.
    obrigada pela viagem Betinho

  7. oanodalargartixa disse:

    O Beto tem razão…eu não lembro de nada, nada mesmo!

  8. Diogo disse:

    O Corvo, vamo tomá uma gelada então e ver de tu melhora!!!

    To passando aí, hahahahahaha!!!

    Abração, Diogo.

  9. Gaia disse:

    Se o Corvo Bêbado mentiu, não sei, mas eu descobri o que é imprint!
    Dá uma olhadinha depois: http://gaiarondon.multiply.com/photos/album/33
    Beijos em você, na Maria e nas mariolas

  10. Beto disse:

    A Gaia me acaba. Bota o link e mostra os gêmeos mais lindos do planeta. E não diz pra ninguém que eu fotografei a mãe quando ela era ainda mais nova do que os filhos. Pode? Velho é a vovozinha…

  11. Diogo disse:

    Ah, porra, arranjei mais um pra pegar no meu pé?! Hahahahahahaha!!!!

    Não to comendo demais. To é fazendo pouco exercício pra quantidade de comida que tenho ingerido, hehehehe… e costumo dizer que a minha estrutura óssea que é muito pesada… é isso, hahaha!!!

    Pior que tenho 1,80 e to pesando oito dois… tá foda. Mas vou busca, deixa pra mim… o verãozinho que me aguarde. Nem é tanto, eu que exagero pra pegarem no meu pé de propósito, só pra rolar uma tiração de onda mesmo.

    Abração, e to esperando post novo aqui. Tá na hora já hein?! Acelera garooooooto!!!!

  12. Pingback: Na carona dos amigos « Viaje na Viagem

  13. diarionomade disse:

    Parabens pelo blog e recentes postagens!
    Abraco
    http://diarionomade.wordpress.com/

  14. Carmen disse:

    Ola,
    Bonitas fotos, en ellas se percibe el sabor a calle de los pueblos mediterráneos.

    Me gustan las ferias de los pueblos donde la gente se reúne y la calle se convierte en la protagonista.
    En mi país Espanha el “alioli” se pone encima de la carne de cordero hecha a la brasa y también en algunas paellas: como la de “arroz a la banda” y en el arroz negro.
    Antes la solían hacer en las casas, pero ahora se compra ya hecha (que es mucho menos gustosa).
    En el alioli que yo he visto hacer no se ponía huevo. Sólo ajo y aceite y se hacía una masa espesa, tipo mahonesa.
    ¡Qué buen recuerdo!.
    Ate logo

  15. Beto disse:

    Diarionomade, obrigado pela visita e pela mensagem. Seja benvindo.

    Carmen, espero tê-la sempre aqui, depois, é claro de passar pelo VnV.

  16. Pingback: O meu lugar na Provence « O meu lugar

  17. Marcio disse:

    Nossa cheguei agora por aqui me identifiquei com esse pessoal que comentou logo acima.

    Seu blog é lindo!! Passarei mais por aqui!

    Abs!

    Marcio

  18. Beto disse:

    Obrigado, Marcio, eu é que recomendo o teu blog pros que passarem por aqui…
    http://ajanelalaranja.blogspot.com/

  19. Pingback: Upgrade do pão com chouriço « O meu lugar

  20. Pingback: O que um peixe morto pode fazer por você « O meu lugar

  21. afrancesa disse:

    Beto, já tinha comentado aqui anteriormente, mas repito: você descreve divinamente bem.Que deleite te ler!

  22. Beto disse:

    Flávia, obrigado, é sempre bom te receber aqui. Abraço

  23. joão defreitas disse:

    O pão de chouriço da feira de Cascais não existe, no mundo, nada parecido. Fica vem ao pé da praça de touros e, além de outras coisas, comprei uma toalha de rendas,lá, que devfe ter sido feita por mãos de fadas. Agora, voltando ao pão de chouriço, é preciso esclarecer que o couriço , em Portugal, não é o que se conhece no Brasil, é um tipo de linguiça calabresa, mas muito mais saboroso.

  24. Rita Macedo disse:

    Beto, estou organizando minha primeira viagem à Europa, depois de muito refletir decidi fazer uma viagem solo no final de abril de 50 a 60 dias distribuidos mais ou menos assim:Portugal(14 dias); Espanha (12);Itália (15 dias) e França (10 dias). Queria incluir Istambul, mas estou um pouco receiosa.
    Já fiz uns 10 roteiros com base nos deslocamentos e no clima. Vc teria alguma sugestão de roteiro considerando deslocamentos e clima?

    p.s.1 por enquanto este me pareceu o melhor:
    Portugal: Porto/Coimbra/Lisboa/Sintra/Cascais/Alcobaça
    /Óbidos/Évora
    Espanha: Madri/Toledo/Sevilha/Cordoba/Granada/ Barcelona
    Itália: Milão/Verona/Treviso/Veneza/Toscana/Roma
    França: Paris/ outra cidade

    p.s.2 Olhando o mapa, dá vontade de sair de Barcelona de carro contornar a costa francesa em direção a Itália, é viável?

    Agradeço sua atenção

    Rita

  25. Beto disse:

    Olha, Rita, com dois meses para viajar você pode fazer o roteiro que quiser, que vai dar certo. Sobre ir de carro de Barcelona à Itália é totalmente viável e, certamente, uma viagem linda. Boa sorte.

  26. Rita Macedo disse:

    Beto,agradeço sua ajuda!Vou escolher um roteiro básico e deixar a musa inspirar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s