No fim do arco-íris tem um Gigondas

Eu gosto do cheiro, da cor, do sabor e do nome Gigondas. E não é por qualquer razão racional, por uma preferência resultante de algum conhecimento específico, pois nada entendo de vinhos e pra mim a maioria dos Côte du Rhone – Vacqueyras, Gigondas ou Chateauneuf du Pape – são bons o bastante pra eu não saber dizer se tem vinho melhor por aí, e deve ter, porque o barato do vinho é que sempre pode ser diferente.

Na verdade, gostar do Gigondas não foi uma escolha que eu tenha feito. A primeira garrafa, sem rótulo ou marca na rolha, foi trazida da Provence pela minha… como direi… carametade, quando era apenas um quarto da minha cara. 

Foi um presente dela pra mim, contrabando originado dos amigos provençais, que compram o vinho diretamente do produtor, aos galões, para engarrafar em casa. Cada garrafa dessas sai a uns 2 ou 3 euros e contém o mesmo líquido pelo qual pagam por aí umas vinte vezes mais, ou mais, o que o torna ainda mais valioso (sei que a idéia é confusa, mas estou certo de que me entendem).

Mas o que eu ia dizendo, é que ter uma garrafa de Gigondas à nossa espera ao fim de uma viagem de carro de quase 800 km é como alcançar um tesouro no fim do arco-íris. Cada um com o seu tesouro e o seu arco-íris. Falou arco-íris?

Feira de Apt, vila situada entre duas cadeias de montanhas, o Petit e o Grand Luberon, na região do Vaucluse, Provence, sábado da primeira manhã depois do Gigondas de boas vindas. Adentrávamos ao gramado em nossa jornada provençal num dia de sol brilhante de primavera, justamente num dos ambientes que mais nos apetece, que é o das feiras livres e esta é uma das favoritas sempre que o título do campeonato mundial está em jogo.

Entramos pela seção de tecidos, almofadas, cortinas, colchas, bordados, panos de mesa, armarinhos, roupas e calçados. Tudo lindamente provençal, ainda que grande parte seja confecionada na região da Provence chamada Côte Chinoise, ao sul de Beijing .

Graças a deus os chineses ainda não aprenderam a fazer chouriços. Então estamos seguros de que os embutidos são legitimamente franceses (e alguns espanhóis), feitos, em sua assombrosa variedade, das melhores e das piores partes de porcos, cabras e ovelhas. É o produto do terroir, um dos mais felizes e sofisticados conceitos de produção agrícola, em que a qualidade é determinada pela cultura, que o produto expressa e perpetua em constante evolução. Fazer sempre, do mesmo jeito e melhor, segundo padrões locais.

É lindo! Um manifesto espetacular a favor da diversidade… dos salsichões. Isso deve dizer alguma coisa a respeito de uma sociedade.

Já havíamos ouvido um belo discurso de um produtor de cogumelos, numa visita a uma imensa cave de cultivo no Vale do Loire, a respeito das vantagens dos ambientes menos assépticos sobre outros muito controlados. A diversidade biológica, segundo o cogumeleiro, fortalece as espécies, enquanto o contrário torna-as mais vulneráveis à contaminação. O culto à diversidade está entranhado na cultura francesa, das centenas de tipos de queijos, combinações de uvas viníferas, produtos comestíveis (lesmas, vísceras, fungos), às artes, filosofias e políticas.

Antes que alguém me atinja com um tomate, derrubando-me da nuvem do meu delírio francófilo com exemplos da intolerância e do racismo franceses, levanto uma barricada de maravilhosos legumes da feira de Apt. Alcachofras, cebolinhas e ciboulettes, rabanetes, échalottes, ervilhas macarrão e tortas, tomates de vários tipos para vários fins (inclusive, alvejar excessos do redator).

Para nossa felicidade, maio, além das flores, é o mês das safras dos morangos e das cerejas, gordas, rubras, quase negras quando estão no ponto.

Maio é também tempo do aspargo… cujo nome já carrega um arg! Sei, vão dizer, que é alimento fino, civilizado. Fomos brindados com vários almoços à base de asp-arg!-os cozidos. A gente come a ponta e rastela com os dentes o resto de polpa aderida ao cabo mais escuro e fibroso. Aprendi olhando nossos anfitriões, naquele estranho prazer. Gosto de vegetais, mas acho aspargo, como diria o Luís Fernando Veríssimo (A Mesa Voadora), um troço meio salsinha.

Mas, na França, aja como os franceses: faça pose ao lado dos legumes. A Provence é a terra deles (dos legumes… e dos franceses, por que não?).

Num patamar semelhante ao dos legumes, estão os cães, tratados obviamente em toda a França como qualquer outro ser humano.

Vocês sabem o fascínio que  bolsas e sacolas exercem sobre o sexo feminino. A foto abaixo é em homenagem à minha mulher, que fez esta e outras fotos do post, e à diversidade das sacolas de feira, essa minoria tão discriminada no Brasil. Em breve, todas, e todos, terão uma, com a inevitável aposentadoria dos sacos plásticos, excomungados pelo pensamento ecologicamente correto.

A minha mulher é louca por bolsas e cestas – normal -, e por decoração, artesanato, objetos diferentes. Só não trouxe os porcos espinhos da foto abaixo, versões de capacho, porque eles deviam pesar uns 3 quilos cada um. Trouxe a foto, que não pesou mais do que 2 megas.

Francês tem fama de pouco banho e de exalar uma certa catinguinha. Mas sabe fazer um sabonete como ninguém. O sabão de Marselha está entre os melhores. Pensando bem, olhando esses sabonetes, eles são tão decorativos que parecem ter sido feitos só pra deixar o banheiro perfumado e colorido.

A feira de Apt também tem flores…

… e como em qualquer outra tem também o vendedor de alho. Uma dúvida: alho pode ser bonito?

Frutas cristalizadas são a especialidade de Apt. Eles dizem que são as melhores… E isso também é uma característica francesa: toda cidade tem uma especialidade. Marron glacé, cerâmica, trabalhos em fibras vegetais, porcelana, perfume, sabão, queijo. Vinho, tem em todas.

Pistache e outras sementes salgadas eles não fazem, mas comem quase todos os dias, junto com o aperrô (apelido carinhoso do aperitivo que antecede, religiosamente, a principal refeição do dia).

A Provence é a maior produtora de azeitonas da França. Mas no mercado, além das locais, você encontra também de outras procedências: gregas, italianas, espanholas, do norte da África. Curtidas, no azeite, temperadas com anchovas e/ou pimentões, apimentadas, incendiárias.

E o sagrado óleo de oliva é vendido a granel. Imaginem isso aqui, na feira de sábado, perto de casa. Abateríamos as altas taxas de colesterol com overdoses seguidas do mais puro ômega 3 e manteríamos nossas artérias lubrificadas com os mais viscosos ácidos graxos poli-insaturados que brotam da terra.

Todos já ouviram falar em ervas da Provença. Ou nas herbs de Provence, que vêm a ser a mesma pessoa. Pois desta vez descobri por que chamam tomilho, alecrim e outras de ervas da Provença. É o capim barba de bode, a tiririca de lá. Dá em toda parte. Todo mato que você pisa tem um cheirinho bom. E um nome bonito. Serve pra temperar o porco, salpicar um ovo frito, ou fazer um tisane, como eles chamam as infusões e que nós, barbaramente, enfeixamos tudo como chá.

Se para cada prato tem uma erva adequada, tem também um vinagre apropriado. Um não. Um arco íris de vinagres.

Empanturrado? Na França, nunca esqueça de deixar um espaço para os queijos. Confesso que não consigo me acostumar a comer queijos depois de almoçar e jantar. Mas é o que os franceses, e gente fina que adora parecer francesa, fazem. Eu não. Eu como antes, no aperrô, como fizeram os tupinambás antes de servir o bispo Sardinha.

Como queijo pede pão, taí o pão da feira. Alguém já viu pão assim no Brasil? Se viu, por favor, deixe o endereço na caixa de comentários. O blogueiro e os blogados agradecerão de joelhos.

Como toda feira, a de Apt é também uma festa. De gente de todo tipo, da terra e turistas, da França e do mundo.

Têxteis, horti-frutis e produtos artesanais oferecem cores, texturas e perfumes pra deixar todo mundo doido, finalidade básica de toda festa.

Como todo mundo sabe, não há festa sem música. Eu até pensei de início que houvesse um aparelho de som no máximo em alguma loja dobrando a esquina. Rolava um jazz traditional, aquele de New Orleans. A surpresa veio ao dobrar a esquina. Os caras tocavam muito, no maior embalo, um grupo do cacete, divertindo e se divertindo com o bom e velho rock’n roll, ainda que fosse jazz.

Satisfeitos, felizes, ainda nos esperava uma surpresa no caminho até o estacionamento onde havíamos largado o carro. O trompe l’oeil arrancou um sorriso.

Anúncios

Sobre Beto Paschoalini

É o que dizem por aí.
Esse post foi publicado em Beber bem, Europa, França, Provence e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

54 respostas para No fim do arco-íris tem um Gigondas

  1. Adorei as imagens da sua feira.
    Nós tínhamos feiras parecidas, mas hoje parece que vejo um excesso de roupa, música e filmes piratas…
    Para além disso, acho que se têm aplicado excessivamente por cá as regras da União Europeia, no que toca a venda de frescos. Em muitas feiras têm sido apreendidos produtos por não estarem exactamente de acordo com os parâmetros de apresentação/venda (imagino que não pelo conteúdo, pois os fiscais não andam com laboratórios ambulantes). Em muitos blogues, sobretudo de gastronomia, isso tem sido discutido, com apresentação, precisamente, de fotografias de mercados franceses. Parece que as leis vão ser suavizadas, no que concerne a produção de produtos tradicionais. Muitos produtores estavam a fechar portas.

  2. Beto disse:

    Isabel, essas normas de produção são invenções de burocratas. Danem-se elas…

  3. Silvia Arruda disse:

    Beto,vindo a Sampa-ou eu indo praí eu levo-já q. ninguém aqui ainda fez pão desse jeito,um francês o faz por aqui.Fui ontem e foi o melhor couvert q. comi na vida!
    Confira:Blés dOr
    Endereço: Rua Tuim, 653
    Moema – Zona Sul – 5532-0183/5093-6401
    Horário: Terça a domingo das 7h30 às 22h30.
    Capacidade: 80 pessoas
    Cartões: Visa, Mastercard, Dinners
    Cotação por pessoa: Até R$ 25,00
    Perfil: Para curtir a dois
    Bjs e quijos, como diz meu irmão!

  4. silvia disse:

    ops…..queijos!

  5. A Provence é um lugar único…

  6. Majô disse:

    Beto, amo uma feira e AMEI o post passeando por essa feira !! Eu iria à loucura com esses sabonetes maravilhosos, cestas, cerâmicas, pães, cerejas e aspargos ( a parte branca) . Uma feira completa que brindou vocês até com um conjunto musical na saida :mrgreen:

  7. Clarice disse:

    Maravilhosas imagens e descrição, quase senti os aromas… ouvi os sons… esbarrei nas pessoas!!

  8. marcelo disse:

    Estive lá, na Provence e na feira de sábado de manhã de Apt, e não descreveria melhor a experiência. Senti que estava novamente lá, e fazia sol (como devem ser todos os sábados de manhã, na Provence ou não).

    abraço!

  9. Ei! Cadê a carinha que aplaude de pé, grita “Brrrrravô” e pede “l’auteur! l’auteur!”? :mrgreen:

  10. Sylvia Lemos disse:

    Tem uma feira de pães e cucas todos os finais de semana em Gramado , junto a rodoviária . São pães feitos em casa , por donas de casa que levam a produção até a cidade . Hmmmm…. Em algumas feiras de rua aqui em Poa tb tem pães caseiros , mas ainda não provei 😆

  11. Mira Harari disse:

    que feira mais deliciosa!Asfotos também estão lindas -da mesmo saudades de lá e de qdo a gente tinha feiras bacanas por aqui! parabéns mira

  12. Mari Campos disse:

    Esse post é um colírio! Pela beleza, pelas cores, pela qualidade das fotos!!! Quase dá pra sentir o gosto do queijo com vinho e o cheirinho de tantas flores e lavandas!
    Adorei!!!

  13. Mô Gribel disse:

    Beto, amei o post!
    Vc escreve super bem, as fotos estão lindas!!!

  14. Emília disse:

    Delícia! Parabéns para a moça pelas fotos, coloridíssimas, bem de acordo com o espírito provençal…
    Pena que Apt vai estar longe de onde vou estar…mas vou me informar sobre as feirinhas.
    Um abraço!

  15. Letícia disse:

    Beto. que post maravilhoso!!! Ainda virão mais posts sobre a Provence por ai??? Estou indo para lá daqui 15 dias… um abraço

  16. Beto disse:

    15 dias Letícia? Pra onde você vai? Diz pra gente…

    Letícia, Emília, Mô, Mari, Myra, Sylvia, Riq, Marcelo, Majô, Clarice, Constance, Silvia e Isabel, bjs.

  17. Carla disse:

    Demais, Beto, demais! Essa falta de tempo faz a gente perder muita coisa boa nos blogs dos amigos… Mas não resisti a correr lá nos posts antigos e ler o resto da viagem… 😉

  18. afrancesa disse:

    Uau, que delícia recordar esses lindos dias de sol na Provence com cheirinho de lavanda por todo lado… 🙂 Parabéns pelo maravilhoso post! Flavia

  19. Rogeria disse:

    Eita, Beto, que post!
    Sensacional! Parece que vc levou a gente na bagagem.
    Tá de parabéns! Beijos.

  20. Rodrigo disse:

    Olá Beto, é minha primeira visita aqui, belo blog, parabéns!
    Eu havia me apaixonado pela Provence qdo assisti ao filme Um Bom Ano, e agora com seu blog eu me apaixonei de vez por essa terra linda. Não vejo a hora de passar alguns dias por lá.
    Abraço.

  21. Thamy disse:

    Fico com pena que não escrevas mais…este post está magnífico. Sei tb que temos que ter inspirações e que infelizmente viagens de muitos dias pela França não fazem toda hora. Mas escreva mais e mais vezes! Please!! Bj thamy

  22. ruy eduardo debs franco disse:

    Oi Beto
    Maravilha seu blog.
    Quem me passou foi a Silvia Arruda, a quem eu chamo de arrudinha.
    Estarei na França em dezembro e adorei ver e ler essas dicas que certamente seguirei.
    Beijos

  23. Beto disse:

    Carla, Flávia, Rogéria, Rodrigo, a Provence faz milagres…
    Thamy, por você eu escrevo pra sempre.
    Ruy, beleza que você passou por aqui. E não foi na hora do almoço ou do jantar, como você fazia sempre quando eu morava com o teu irmão…
    Bjs.

  24. Lílian disse:

    Beto…

    Clap..clap..clap…
    Palmas pra você pela bela descrição deste dia maravilhoso.
    Ano passado final de setembro, estava em Paris e como foi a primeira vez, me deixei ficar por lá, absorver e sentir o máximo que pudesse da vida local. E a Provence é um outro sonho antigo, que penso realizar ano que vem, mas que pude já me deliciar, lendo seu post.
    Parabéns e obrigada também!
    Bj a vc e à sua cara metade.

  25. Letícia disse:

    Oi Beto… estou indo para França e Italia… faremos Paris e Vale do Loire e depois meu grande sonho que é conhecer a Provence, ficarei hospedada em Gordes e fiz a programação para conhecer Les Baux, Saint Remy, Lourmarin, Roussilon, Isle sur la Sorgue e Aix-en-provence (alguma dica ou alteração??) Depois da Provence vamos para Nice e optei por darmos uma volta e passarmos pela estrada do Canyon du Verdon.. depois de Nice, vamos para Rapallo (base para Cinque Terre), depois Toscana, terminando em Florença, onde deixamos o carro e então Roma!!!! Um abraço e espero suas dicas.

  26. Letícia disse:

    Beto, esqueci de dizer… q essa é a programação mas como estaremos de carro, o maior objetivo é parar onde der vontade… rs

  27. Beto disse:

    Letícia,teu roteiro tá ótimo, eu só não deixaria de ir a Saint Tropez, já que vai a Nice. Boa viagem, você vai adorar…

  28. Letícia disse:

    Beto, dica anotada… vou tentar incluir Saint Tropez porque o marido não quer abrir mão de conhecer Mônaco…. 🙂 Na volta contarei minhas impressões!!!! E se lembrar de mais alguma dica, agradeço muito!!!!

  29. afrancesa disse:

    Letícia, concordo com o Beto, não deixe de ir a Saint-Tropez! Eu dispensaria Cannes numa próxima vez, mas não Saint-Tropez!!! Boa viagem!

  30. Beto disse:

    Letícia, se você tiver tempo, de Nice a St. Paul de Vence é um tiro curto e você não vai se arrepender. Vocês podem deixar Mônaco para um pit stop na viagem que farão de Nice à Ligúria (ou Toscana). Não vale gastar um dia de estada em Nice para ir a Monte Carlo, que estará no caminho de vocês quando forem para a Itália.

  31. Simone disse:

    FANTÁSTICO!!!!!!!!!!!Amei esse passeio na feiraaaaaa…hummmmmm!!!!! senti todos os aromas e me encantei com as cores….Parabéns!!!!! Estou programando ir de carro com uma amiga nessa região e me estender por Cote d!Azur…. adoro essa região….

  32. Letícia disse:

    OI Beto, já estou negociando com o marido as sugestões de vcs!!! Me indicaria algum restaurante imperdivel na região da provence e que precise de reserva???

  33. Carmen disse:

    PARABÉNS pelo POST e pelo VIAGEM!!!

    Produze um imenso prazer olhar o ambiente e os productos da Feira de Apt.
    É certo que isso existe?
    A Provence é formosa, mas a feira é um luxo!

  34. Taysa disse:

    Parabéns pelo belíssimo texto . Morei em Aix-en-Provence e suas fotos me lembraram momentos muito bons !

  35. Letícia disse:

    PêEsse o Beto com certeza vai te dar dicas muito mais quentes do que as minhas porque as que eu tenho ainda estão so no papel já que estou indo para lá daqui 2 semanas!!!! Estudei bastante a região antes de montar meu roteiro… acho que o tempo ideal pelo q já vi as pessoas dizerem por aqui pelo menos uma semana (não é isso Beto?) e acredito que a época do ano ideal é junho/julho (por causa dos campos de lavanda)… não estou cumprindo nenhum desses ideais mas estou apostando que sera muito bom!!! rs Montarei minha base em Gordes… das dicas q vi na net, a que mais gostei em relação a hospedagem foi a do Jorge giramundo (Les Mas des etoiles) http://giramundo.wordpress.com/category/viagens/europa/franca/ …. mas não consegui fazer a reserva mesmo depois de mandar VARIOS emails.. então acabei fazendo pelo booking.com no Les Mas des Romarins!!! Pelo que os “especialsitas” na Provence dizem, o legal é ficar nos vilarejos… A principio eu pretendo visitar: Les baux, Saint Remy (ficam muito proximas), depois na região do Luberon: Menerbes, Lourmarin e Roussillon (mas nessa região existem outras cidades citadas pelos conhecedores como Apt (das fotos do Beto), Fontaine de Vaucluse e Isle sur la sorgue. Irei também a duas cidades maiorzinhas: Avignon e Aix-en-provence. Dizem que o legal é visitar as cidades no dia das feiras, como a que o Beto fotografou… No mais, é parar onde der vontade no caminho, descobrindo a região.. é isso que pretendo fazer!!!! Como depois irei para Nice, passarei pelo caminho du canyon du verdon/ Gorges du verdon… que dizem ser lindo… Bom, como te disse, so sei a teoria, agora deixo para o Beto e os demais falarem da pratica… rs

  36. Dani disse:

    Parabéns pela viagem, pelo blog e pelas fotos!
    Quando ao pão, acho que vc encontra algo parecido na novíssima Le Vin Boulangerie aqui em São Paulo, fica na Al. Tietê, pertíssimo da R. Augusta, em frente do delicioso restaurante de mesmo nome e mesmo dono!

  37. Zé Rodrigues disse:

    Pô, Beto! Não faça isso comigo. É muita água na boca de uma vez. Como sou fâ inveterado por pães, me amarrei na foto deles. Parece que até senti o cheiro sair da tela. Bem, tudo muito colorido, como deve ser a vida. E seu texto, que agente fica sempre desconfiado de que quer dizer outra coisa. Valeu a viagem virtual. Zé

  38. joneyda disse:

    Realmente, suas fotos ficaram lindas!
    Me diverti muito com os seus comentários..já vivi por lá. em Lyon, e concordo com tudo!

    Se não fosse a grosseria dos franceses, a França seria perfeita!

    Bjs

  39. Carla2 disse:

    Nossa, Beto, como sempre, você arrasou. Que delícia de post!! Confesso que França nunca me chamou muito a atenção, mas depois desse seu post, me deu uma vontade de conferir in loco… Bjs procê e prá Tetê

  40. Ricardo Luz disse:

    Deu vontade de tomar um gole to tal de Gigondas…
    Parabéns pelas fotos e excelentes comentários.
    abraço

  41. Tess disse:

    Ha ha ha…adorei, fiquei apaixonada, é tudo o que gosto de ver, comer e beber….

  42. sérgio peixoto disse:

    Acabo de regressar da Provence e garanto que o colorido das folhas secas do outono pouco ou nada devem ao das flores primaveris! A quem estiver nas proximidades de Nice e Montecarlo, aconselho visitar Éze; e a quem vai para Gordes (escrevi um relato de viagem com o título de “Le paradis est ici” por causa desse tesouro medieval), jantar – das 19h.30min. às 21h., nunca às sextas feiras – no Auberge de Carcarille, pequeno hotel próximo àquela localidade (cerca de 2km. antes, vindo de Avignon).

  43. Adriana B. disse:

    Olá Beto, tudo bem?!
    Vc sempre me ajudou muito em todas minhas dúvidas qto a Provence e tudo mais…
    Cá estou eu pra tirar mais uma dúvida!
    Vamos em julho para Provence, ai finalmente, chegou a hora de realizar meu sonho! hehehe
    Beto, vamos ficar instalados em Cavaillon ou Aix e de lá fazer rotinas diárias entre as outras cidadezinhas…vamos alugar um carro, e a questão é: tem lugar pra estacionar nesses vilarejos???
    Obrigada, muito obrigada mesmo!!
    beijos

  44. paty disse:

    Adorei o post! Me deu uma saudade da Provence! Não estive em Apt, mas com certeza vou incluí-la numa próxima vez. Se quiser visitar o meu blog, http://moradadevenus.blogspot.com/ , fique a vontade, em outubro estarei postando sobre a maravilhosa experiencia que tive na França em setembro.
    Abçs!

  45. vilma disse:

    Estava buscando a região de Provence e encontrei seu blog e descobri Apt, infelizmente não tenho condições de ir até lá, é só um sonho, mas com sua descrição e fotos me senti lá… mas quem sabe um dia eu consigo!Parabens pelo blog!

  46. Claudia disse:

    Apt é tudo de bom…
    Amo feiras!
    Mais uma vez, fotos e comentários descolados e divertidos.

  47. Edna Zerbeto disse:

    Amei!!!maravilhoso!!!
    Tréz chic…( não sei se assim que se escreve…rs..) Fotos lindas do lugar mais lindo da terra. Conheço poucos mas este tenho a honra de ter ido … trabalhar e correr as ruas rápidinho nos intervalos… Mas valeu…valeu… e ver estas fotos maravilhosas me levou a sentir até o aroma de Marcelle e é como você diz …até o matinho que agente pisa tem cheiro gostoso… Estive em Albagne e em Gemenos !!! Também vi o Mont Saint Victorie, que Cezane pintou dezenas de vezes… eu entendo porque ele o fez e se pudesse traria o monte para casa…
    Parabéns pelas fotos e pelos comentários inteligentes e sensíveis…
    Obrigada pelas lembranças arrancadas do fundo da minha alma.
    Ah se eu pudesse voltar!!! Quem sabe um dia….

  48. eunice disse:

    Chic mesmo… Amei. Fiz aniversario lá, ano passado, Compramos paes em Gordes, pastas vinhos e salames em Arles, e a dona do boteco, super simpá, me deu o vinho de presente, pode? Ah e paramos claaaaro pra fazer pic nic no pe da montanha.. Aix de Provence tem feira tbem pessoal.
    Foi tudo de bom.
    Eunice

  49. Beto disse:

    Sair pra fazer essa comprinha aí é tudo o que eu queria agora. Um aniversário muito feliz, né eunice?

  50. Suzane disse:

    olá pessoal,
    estou adorando este site numa tarde chuvosa de São Paulo qdo o trabalho dá uma relaxada. E relaxar na França é TUDO!!!
    pena alguns comentarem do descaso ou mal humor dos franceses… uma pena, pois eu sempre fui mto bem tratada!! me senti mto bem por lá.
    Beto, dica de pães maravilhosos em São Paulo: “Julice Boulangère”, r. Deputado Lacerda Franco, 536, em Pinheiros. vale a pena!

  51. Também sou sempre bem tratado, Suzane. E também sempre me sinto muito bem lá. Tamo junto. E obrigado pela dica da padaria. Boa tarde chuvosa.

  52. Adriana disse:

    Beto, Adoro seu site! Viajo para Provance pela primeira vez em julho/12. Ficarei apenas 04 dias, vindo de Roma com destino a Paris. Pergunto: em que cidade você ficaria hospedado e quais lugares você escolheria para visitar de carro ? Gostaria de ver campos de lavanda, comer em bons restaurantes, visitar lugares bonitos. Me ajuda!!

  53. Rosangela disse:

    Beto, ler seu post hoje (sexta-feira) e estar aqui em APT, não preciso te dizer mais nada a não ser MERCI …. MERCI BEAUCOUP !!! Bisous.

  54. Uau! Je vous en prie…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s