As abadias trigêmeas da Provence 1 – Senanque

Que diabos leva um sujeito a querer conhecer uma abadia cisterciense, quando esse mesmo sujeito não é católico, não acredita em deus, acha a igreja o ó e não tem a mínima idéia do que signifique cistersiense? Só pode ser o signo. Sou de Peixes e os astrólogos são unânimes em dizer que o pisciano é um místico. Eu nunca me senti um místico. Nem mesmo quando tava na moda e os bichos-grilos meus amigos ficavam projetando aeroporto de ovni, comendo arroz integral com bardana e saudando o pôr-do-sol. Sempre achei o místicismo um troço chato, a comida ruim e os místicos meio goiabas.

Eu ainda não sei qual é a minha goiabice, mas fato é que achei as abadias cistercienses da Provence uma maravilha. A arquitetura delas reproduz o ascetismo dos monges, que levavam ali uma vida autônoma e completamente desprovida de confortos, riquezas ou adornos. Portanto, são muros e chão de pedra, telhados de pedra, sempre próximos a um rio para abastecer e terras para plantar.

Senanque, em Gordes, é a única das três abadias sistercienses da Provence – as outras duas, que virão em posts posteriores, são Silvacane e Le Thoronet – que ainda abriga monges. Isso significa que só é possível andar pela abadia em grupos controlados por um guia, evidentemente um religioso, que conta a história da ordem e da abadia. E fica o tempo todo regulando as ovelhas pra que não falem alto nem escapem do rebanho.

Senanque é matéria de capa quando o assunto é Provence. Por causa de um bendito campo de lavanda que tem na entrada da propriedade, é a foto certa nos meses de julho e agosto, quando tá no auge da florada. Lavanda é mesmo uma beleza, a construção também, a união com a paisagem, então, é do cacete. Só que em maio não tem lavanda, aí “sobra” a arquitetura.

Não li meu horóscopo pro mês de maio, quando estivemos lá. Mas posso garantir que as previsões se realizaram. Eu não dormi no dormitório como os monges.

Não rezei nem pratiquei solfejos gregorianos pra testar a acústica da igreja.

Não reli aquelas passagens mais picantes da Bíblia no escondidinho do claustro.

Nem aqueci os pés junto ao fogo do chauffoir, o único aposento aquecido do mosteiro.

Meu signo devia dizer que, ao sair, deveríamos contornar a abadia pra ver como ela é de perfil e de costas. Pois foi isso que fizemos, e não nos arrependemos.

Senanque é tão bela vindo quanto indo.

E naquela viradinha que a gente sempre dá pra ver algo bonito por que passamos, apareceu uma freirinha…

Opa! Uma freira? Entre monges em pleno recolhimento? Bom, quem acredita em deus são vocês…

Leia também

As abadias trigêmeas da Provence – Silvacane

Anúncios

Sobre Beto Paschoalini

É o que dizem por aí.
Esse post foi publicado em Europa, França, Provence e marcado , , . Guardar link permanente.

18 respostas para As abadias trigêmeas da Provence 1 – Senanque

  1. Emília disse:

    Maravilhosa! Para crentes e não-crentes…A construção casa direitinho com os arredores: essa montanha atrás parece acolher a abadia no colo, uma belezinha. E os campos são bonitos mesmo não sendo florada, bom demais.
    As fotos do claustro ficaram lindíssimas, Beto…
    Um bom final de semana para vocês!

  2. mikix10 disse:

    eheheheheh… o que essa freira estava fazendo lá???? Foi fotoshop? ahahahah
    Brincadeira…
    Adorei o post e conhecer um pouquinho sobre essa abadia. Coisa de doido esses monges viverem assim, Deus me livre viver com frio 🙂
    abs

  3. Clarissa disse:

    Oi, Beto. Tudo bem? Trabalho na Edelman, agência de relações públicas da Air France e KLM no Brasil. Gostariamos de entrar em contato com você por email.Para qual endereço podemos escrever? Obrigada e abraços!

  4. Acredito que seja pelo mesmo motivo que eu, ateu, mais do que achar a igreja o Ó, sou ante-credo, mas adoro igrejas, do ponto de vista arquitetônico.

  5. Carmen disse:

    Bonito lugar! As pessoas precisamos, lugares donde o silencio está

  6. Carmen disse:

    Beto, desculpe, subió o comentário antes de acabarlo….

    …lugares donde o silencio está presente e podamos pensar ou deixar a mente em branco e

  7. Carmen disse:

    Outra vez, desculpe de novo
    …deixar a mente em branco e respirar tranqüilamente. Pode ser misticismo o pode ser escutar-se a se mesmo alguna vez.
    Lindas fotos de um lugar bonito!!!

  8. Mari Campos disse:

    Lindo, lindo! Taí uma parte da França que já tem data para eu desvendar: 2009 tá chegando! :mrgreen:
    Adorei o post e as fotos lindíssimas.

  9. Cristina disse:

    Lindo o post Beto. Na minha primeira visita, aproveitei para lê-lo e penso em ir em Maio para lá, que é o mês que normalmente tiro uns de férias. Eu adoro visitar mosteiros tanto pela arquitetura quando pela ambiente de calma e fé – sou católica daquelas que acredita em Deus não praticante – conhece Montserrat, próximo a Barcelona?

  10. Vera disse:

    Ola!

    Optimo blog! com fotos fantasticas!!
    Em que altura do ano foste fazer esta viagem?

    Obg

  11. Beto disse:

    Vera, obrigado pela visita. Estivemos lá em maio de 2008.

  12. Marcelo disse:

    Beto
    Pretende fazer uma viagem a Provence com minha esposa e a região da abadia sempre foi uma parte do meu roteiro. você foi de excursão ? Alugou um carro ? Teve dificuldade em chegar lá ? E hospedagem ?

  13. Denise Gonçalves Pampolini disse:

    Olá Marcelo, existem excursões que visitam a abadia, mas o melhor é alugar um carro e fazer tudo a seu tempo. Ficamos hospedados em Gordes (Mas des Etoiles) e em Lourmarin (Villa Saint Louis). De lá fizemos todos os passeios. Fantástico. Vale a pena!

  14. Beto disse:

    Desculpe-me pela demora, Marcelo, e obrigado pela resposta, Denise. Tem que alugar carro mesmo e há muitas opções de hospedagem. Use o google pois como fiquei em casa de amigos não tenho sugestões. Mas há alternativas para todos os bolsos. Locomover-se pelas estradas do Luberon não é difícil, é bem sinalizado. Boa viagem.

  15. rosaria disse:

    Oi Beto,meu nome é Rosaria tenho um blog,sou apaixonada pela Provence ,mas nunca estive lá,desejo fazer um post e quero saber se posso usar as fotos das Abadias que vc fez, colocarei o nome de seu blog nas fotos se me permitir,suas fotos estão muito bonitas.

  16. Olga Leiros disse:

    Adorei sua forma de escrever, apesar de ser católica e acreditar em tudo o que vc abomina. Rs
    Queria muito ver a floreada das lavandas, mas estarei na provence na primeira semana de junho. Vc acha que posso encontrar alguma florzinha dando sopa?

  17. Beto disse:

    Olá, Olga, na essência somos todos iguais, não é mesmo? Respondendo à sua pergunta, pode ser que já haja lavandas no início de junho, mas ainda não é o auge da florada, que acontece em julho. Mas não vão faltar flores no teu caminho e a Provence tem muito mais a oferecer, tanto em natureza quanto em cultura, incluindo nisso o modo de vida provençal, a gastronomia, etc…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s